Make your own free website on Tripod.com
DESEJO | SILÊNCIO | PARA UMA PESSOA ESPECIAL... | FOLHAS PERDIDAS | PARA ALGUÉM | AMOR... | DEVE TER SIDO AMOR... | POEMA SEM NOME... | DA NUVEM DO ESQUECIMENTO ÀS AREIAS DO TEMPO... | SOMENTE VOCÊ | À MINHA AMIGA | ROSAS DE AMOR... | QUANDO AS PALAVRAS SE PERDEM | ESPERANDO... | ABANDONO | SE ERRAR É HUMANO, AMAR É DIVINO... | RECOMEÇAR | UM POUCO MAIS DE CONSIDERAÇÃO | A ARTE DE SER FELIZ | O MUNDO É GRANDE | A FALTA QUE AMA | Palavras ao Vento... | Agradecimentos | Quem sou eu? | Meus Amigos (Links Legais!) | Livro de Visitas | Fale comigo! | Título da nova página

Home

Prosa em Verso
A FALTA QUE AMA

Entre areia, sol e grama
o que se esquiva se dá,
enquanto a falta que ama
procura alguém que não há.

Está coberto de terra,
forrado de esquecimento.
Onde a vista mais se aferra,
a dália é toda cimento.

A transparência da hora
corrói ângulos obscuros:
cantiga que não implora
nem ri, patinando muros.

Já nem se escuta a poeira
que o gesto espalha no chão.
A vida conta-se, inteira,
em letras de conclusão.

Por que é que revoa à toa
o pensamento, na luz?
E por que nunca se escoa
o tempo, chaga sem pus?

O inseto petrificado
na concha ardente do dia
une o tédio do passado
a uma futura energia.

No solo vira semente?
Vai tudo recomeçar?
É a falta ou ele que sente
o sonho do verbo amar?

Carlos Drummond de Andrade

Colaboração de Paula Iwamoto